Exportações de móveis brasileiros: Conjuntura 2020

Exportações de móveis brasileiros: Conjuntura 2020

25 de janeiro de 2021Categories: EconomiaTags: , ,

Compartilhe nas redes!

Compartilhe nas redes!

Dando sequência aos números atualizados da conjuntura moveleira 2020 – confira a primeira parte clicando aqui -, hoje trazemos um panorama sobre o comércio externo de móveis do Brasil. O detalhamento faz parte do último levantamento divulgado livre e gratuitamente pela Abimóvel (Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário), que traz números das exportações de móveis brasileiros.

As exportações do setor moveleiro somaram US$ 361,6 milhões no acumulado de janeiro a agosto de 2020. Resultado que, como era de se esperar, representa recuo de 12,4% em comparação com o mesmo período de 2019.

Países de destino das exportações de móveis brasileiros

Desse total, destacam-se as exportações de móveis para os Estados Unidos, com participação bastante significativa de 40,3% dos valores exportados. Aumento de 2,8% em relação a 2019. Um dos pontos-chaves para entender esse bom momento é que a exemplo do que vem acontecendo no Brasil, o varejo de móveis americano experimenta um aquecimento substancial durante os últimos meses. Situação que deverá se manter acesa até o primeiro trimestre do próximo ano, estabilizando-se positivamente até pelo menos 2024, segundo especialistas locais. Gerando, assim, boas oportunidades de negócios também para os mercados parceiros, como o brasileiro. Aliás, falamos sobre o assunto há algumas semanas, veja.

Em segundo lugar no ranking aparece o Reino Unido – assunto do nosso próximo giro pelo mundo -, com 9,3% de participação. Apesar da boa colocação, ao contrário do que ocorreu nas negociações com os Estados Unidos, neste caso houve queda de 22,7% em termos de valores exportados frente ao registrado no ano de 2019. O Uruguai aparece em terceiro lugar, com 7,5% do total exportado e queda de 13,2%.

Principais estados exportadores

Os três estados da região Sul são os maiores exportadores de móveis do Brasil. Juntos, Santa Catarina (42,4%), Rio Grande do Sul (26,7%) e Paraná (14,5%) corresponderam a 83,6% das exportações brasileiras de móveis no período de janeiro a agosto de 2020. Apesar disso, todos eles apresentaram queda no valor exportado frente ao mesmo período de 2019. Em termos de crescimento nesse período, Rio de Janeiro e Pará foram os únicos estado do País a apresentar variação positiva, sendo de 356,3% e 80% respectivamente.

Países de origem das importações

No acumulado de janeiro a agosto de 2020, o Brasil importou US$ 107,3 milhões em móveis. Queda de 19,4% sobre o mesmo período do ano anterior. Em termos de participação, a China foi origem de 75,6% das importações totais realizadas pelo Brasil no período. Seguida, então, pela Itália (5,3%) e os Estados Unidos (3,5%).

Em termos de crescimento do valor importado, boa parte dos países apresentaram queda no montante enviado ao Brasil. Espanha, Coréia do Sul e Israel foram os únicos países que, na contramão, apresentaram crescimento no período. No lado negativo, a França registrou a maior queda como origem das importações brasileiras.

Principais estados importadores

O estado de São Paulo foi responsável por 39,2% das importações brasileiras de móveis no acumulado de 2020. Em seguida aparecem os estados de Santa Catarina e Rio de Janeiro, com participação de 34,6% e 8,4%, respectivamente. O destaque ficou para os estados da região Sudeste, que, juntos, foram responsáveis por cerca de 53,5% dos valores importados nesse período. Por estado, o maior crescimento observado foi nas importações do estado de Alagoas, que cresceram cerca de 32,5%.

Exportações de móveis: Uma possibilidade para todos?

Vale dizer que apesar das exportações de móveis ainda não representarem uma fatia tão significativa no faturamento total do setor moveleiro nacional, trata-se de uma atividade importante na dinâmica e impulsionamento da cadeia do mobiliário. Sobretudo frente às atuais condições de câmbio e fatores externos.

Independentemente do tamanho da sua empresa e segmento de atuação, não menospreze o seu potencial de internacionalização. Considerar a possibilidade de se abrir ao comércio externo – especialmente com as facilidades trazidas com a expansão do e-commerce e das novas modalidades logísticas – pode ser uma ótima jogada para o futuro do negócio e ampliação de parcerias no setor. Para te ajudar a entender melhor a conjuntura internacional no setor moveleiro, trazemos toda semana um panorama atualizado da indústria de móveis em diferentes países. Continue nos acompanhando!

2 Comments

  1. […] Aliás, nós já nos aprofundamos um pouco mais nas peculiaridades que vêm expandindo ou freando as exportações para determinados mercados durante a pandemia no artigo “Exportações de móveis brasileiros: Conjuntura 2020”. […]

  2. […] Aliás, nós já nos aprofundamos um pouco mais nas peculiaridades que vêm expandindo ou freando as exportações para determinados mercados durante a pandemia no artigo “Exportações de móveis brasileiros: Conjuntura 2020”. […]

Deixe Um Comentário

  • Categories: Feiras

    Com organização do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol, o SIMM, a edição 2022 da Movinter começa amanhã, 28 […]

  • Categories: Marketing

    Colchões Castor – Chegar aos 60 anos em boa forma não é uma missão simples. Exige jogo de cintura, muita […]

  • Categories: Feiras
  • Categories: Indústria

    Indústria moveleira – Acompanhando as oscilações no mercado moveleiro nacional, impactado, entre outros motivos, pela instabilidade econômica e a retomada […]

Notícias em Destaque

  • Categories: Indústria, Notícias

    Abaixo do desejado desde dezembro de 2019, o nível dos estoques de produtos finais, que atingiu nível crítico no segundo […]

  • Categories: Indústria

    Na semana passada, nós falamos sobre as oportunidades para os móveis brasileiros nos Estados Unidos – clique para ler. Enquanto […]

  • Categories: Indústria

    A produção industrial no Brasil caiu 0,4% na passagem de agosto para setembro deste ano. Esta é a quarta queda […]

Assine
a nossa
Newsletter

    Opinião