Jornada de compra e os caminhos para as vendas de móveis

Jornada de compra e os caminhos para as vendas de móveis

Compartilhe nas redes!

Compartilhe nas redes!

consumidores de móveis

Da série consumidores de móveis: “Móveis e Eletrodomésticos” e “Material de Construção” foram as categorias que puxaram as vendas do comércio em 2020. Compreenda mais sobre a jornada de compra do consumidor no novo artigo produzido pela Eucatex

Você sabia que mais de 50% dos consumidores que compraram móveis pela Internet neste ano buscaram apoio de loja física ou showroom para visualizar, tocar, sentir, checar ou manusear o móvel?

No artigo anterior, “Caminhos para as indústrias de móveis: O que esperar de 2021?”, analisamos aspectos comportamentais de consumo e as perspectivas para a indústria moveleira, fundamentando-as em dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e em pesquisa realizada pela Fundação de Dados com apoio da Eucatex.

Agora, avançamos na jornada de compra dos consumidores de móveis, começando  por um panorama atual do comércio. Mais especificamente da área de atividade comercial “Móveis e Eletrodomésticos”, uma das dez monitoradas pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC).

Segundo os dados da pesquisa mais recente, se considerarmos apenas o acumulado dos comparativos com os meses anteriores, de janeiro a outubro, as vendas nominais (com inflação) do varejo ampliado (que abarca dez áreas de atividades comerciais), cresceram 15%. Enquanto as vendas no canal Móveis e Eletrodomésticos aumentaram 24,2%, como podemos ver no gráfico abaixo.

Obras, reformas e mobiliário

Outra área de atividade comercial que experimentou uma admirável performance na mesma base e período comparativo foi a de “Material de Construção”. Esta, então, com crescimento de 34,3%. É importante ressaltar que as lojas de materiais de construção foram consideradas “essenciais” na maior parte do País. Logo, diferentemente dos canais específicos para vendas de móveis e eletrodomésticos, os home centers, lojas de bairro e demais canais do segmento permaneceram abertos, mesmo no período inicial das medidas de isolamento social. Contribuindo, assim, para esse resultado de vendas.

De qualquer maneira, vemos que, além dos supermercados, hipermercados, farmácias e afins, os dois segmentos comerciais — Material de Construção e Móveis e Eletrodomésticos —, que abastecem os lares no sentido de melhorá-los, mobiliá-los e equipá-los, puxaram para cima as vendas percentuais totais do comércio brasileiro.

Jornada de compra: A casa no centro do consumo

Tal movimento adveio, principalmente, das melhorias pelas quais passaram os lares das famílias brasileiras. Estas, que visam adaptar suas casas para uma permanência intensa e para o desenvolvimento de inúmeras atividades, outrora realizadas fora do lar. Dessa forma, de maneira contundente, um imenso contingente de consumidores de baixa renda, beneficiados pelo Auxílio Emergencial, aproveitou para dar continuidade a obras e reformas que estavam paralisadas. Buscando, também, mobiliar e equipar suas residências.

Porém, independentemente dos perfis dos consumidores de materiais de construção, móveis, eletrodomésticos e artigos para o lar nos últimos meses, o fato é que as residências experimentaram um período de valorização nunca visto anteriormente. E, graças a essa percepção e admirável recuperação das vendas, ainda nominalmente, o canal Móveis e Eletrodomésticos cresceu 9,9%, no comparativo das vendas acumuladas até outubro de 2020 com vendas acumuladas até outubro de 2019, sendo que a comercialização de móveis cresceu 5,3%, e, de eletrodomésticos cresceu 11,9%.

Mesmo com a vacinação durante o ano de 2021, que poderá dar mais liberdade de circulação à população, é esperado que esse sentimento de valorização do lar permaneça. Beneficiando, assim, os diversos formatos de canais para vendas de móveis.

E é para nos aprofundarmos na visão dos consumidores sobre esses canais que continuaremos a falar sobre a jornada de compra no segmento moveleiro em nosso artigo de amanhã. Não perca!

Newton Guimarães é head da Fundação de Dados, sistema de pesquisas e inteligência de mercado especializado no consumo de materiais de construção e itens para o lar. Na parceria com a Eucatex traz subsídios e visão estratégica para os clientes da marca.

2 Comments

  1. Consumidores de móveis no Brasil 23 de fevereiro de 2021 at 19:58 - Reply

    […] artigo de ontem — clique para ler — revelamos que as categorias “Móveis e Eletrodomésticos” e “Material de Construção” […]

  2. Vendas de móveis continuam em alta 1 de março de 2021 at 13:03 - Reply

    […] Leia também – Jornada de compras e os caminhos para a venda de móveis […]

Deixe Um Comentário

  • Categories: Feiras

    Com organização do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol, o SIMM, a edição 2022 da Movinter começa amanhã, 28 […]

  • Categories: Marketing

    Colchões Castor – Chegar aos 60 anos em boa forma não é uma missão simples. Exige jogo de cintura, muita […]

  • Categories: Feiras
  • Categories: Indústria

    Indústria moveleira – Acompanhando as oscilações no mercado moveleiro nacional, impactado, entre outros motivos, pela instabilidade econômica e a retomada […]

Notícias em Destaque

  • Categories: Indústria, Notícias

    Abaixo do desejado desde dezembro de 2019, o nível dos estoques de produtos finais, que atingiu nível crítico no segundo […]

  • Categories: Indústria

    Na semana passada, nós falamos sobre as oportunidades para os móveis brasileiros nos Estados Unidos – clique para ler. Enquanto […]

  • Categories: Indústria

    A produção industrial no Brasil caiu 0,4% na passagem de agosto para setembro deste ano. Esta é a quarta queda […]

Assine
a nossa
Newsletter

    Opinião