Preloader

Jornada de mulheres transformadoras: inspirações para o Setor Moveleiro

Jornada de mulheres transformadoras: inspirações do Setor Moveleiro

Na semana do Dia Internacional da Mulher, a plataforma Setor Moveleiro destaca a jornada das mulheres empreendedoras, ressaltando suas conquistas e desafios. Apesar dos avanços em diversos campos, as disparidades de gênero persistem, refletidas no rendimento médio e na representatividade nos espaços de poder e decisão. De acordo com dados do Global Gender Gap Index, o Brasil ainda enfrenta desafios significativos nessas áreas, ocupando a 57ª posição entre 146 países analisados no levantamento do Fórum Econômico Mundial. 

Diante desse cenário, é essencial homenagear as mulheres que se destacam no setor moveleiro, inspirando outras a seguirem o mesmo caminho de sucesso e a contribuírem para um futuro mais igualitário e inclusivo. 

Agradecemos a participação de todas que aceitaram esse convite e na correria do dia a dia se desdobraram para participar desta matéria, com depoimentos tão importantes. Fizemos a todas a pergunta sobre o que representa para ser uma mulher à frente de um negócio de sucesso no setor moveleiro, e quais avanços e contribuições acredita que as mulheres têm trazido para esse setor?

O papel transformador das mulheres: perspectivas e conquistas de Maristela Cusin Longhi

A presidente do Conselho da ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário, Maristela Cusin Longhi, que também exerce o cargo de Vice-Presidente do CIERGS – Centro das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul e é Diretora da empresa Multimóveis, oferece uma forte e poderosa perspectiva inicial.

Para Maristela, as mulheres estão cada dia mais preparadas para assumirem altos postos de comando. “O setor moveleiro tem uma predominância masculina significativa, temos poucas mulheres em postos de direção, então representa uma grande conquista, para mim e para todas as mulheres!”, afirmou.  

Ela acredita que as mulheres têm contribuído com avanços que não se resumem ao setor moveleiro, mas se estendem a todos os setores da nossa sociedade. “O mundo hoje aposta muito no capital intelectual e, principalmente, nos valores e aptidões femininas: a capacidade de trabalho em equipe, a persuasão, a intuição e principalmente, a cooperação, no lugar da competição.”

Rumo a um futuro de igualdade e sucesso

Segundo Maristela, estudos demonstram que as mulheres estão se preparando mais, se qualificando e se profissionalizando muito, com sua maior participação em cursos de especialização e assumindo posições e postos de trabalho cada vez mais importantes. “Hoje temos mulheres em todas as esferas da nossa sociedade, demonstrando sua grande competência, capacidade  e profissionalismo frente às grandes mudanças do mundo”, disse.

Maristela Cusin Longhi, presidente do Conselho da ABIMÓVEL.

“Acredito em uma relação de respeito, com direitos iguais a todos. E nesta caminhada, muitos foram os avanços, mas ainda temos muito a fazer, para que todos juntos, possamos construir um mundo melhor, usando o que cada um tem de melhor, como fórmula de sucesso.”

“Enfim, o perfil das mulheres mudou muito ao longo dos anos, todas as nossas conquistas, aliadas à competência reconhecida pelo mercado, é motivo de muito orgulho para todas nós e nos mobiliza a seguir sempre em frente. Nos aguardem, pois esta história vai longe”, promete.

Impulsionando a presença feminina: visão e comprometimento de Gisele Dalla Costa

Gisele Dalla Costa, presidente do Sindmóveis, destaca a importância da presença feminina em todos os níveis de liderança. “Acredito que a mulher pode e deve estar no lugar que ela desejar. Temos que focar em nossos objetivos e trabalhar para atingi-los. No setor moveleiro, a imagem masculina ainda prevalece, mas isso não é motivo para nós, mulheres, não estarmos em cargos de liderança”, afirma.

Apesar da predominância da imagem masculina no setor moveleiro, ela encoraja outras mulheres a perseguirem seus objetivos. “Trabalhamos e batalhamos para isso da mesma forma, mostrando que conseguimos ter habilidades diversas – como criatividade, comprometimento, gestão de pessoas, pensamento estratégico entre tantas outras. Sou sempre a favor de encorajar outras mulheres, dizendo para que trabalhem pelo que elas acreditam, ouçam as opiniões da equipe que está ao lado delas e se posicionem – nunca esquecendo dos seus valores!”, disse.

Gisele Dalla Costa, presidente do Sindmóveis. Crédito: Augusto Tomasi

À frente do Sindmóveis e da empresa familiar, Motiva Móveis, Gisele enfrenta diariamente novos desafios e celebra conquistas, apoiada por uma equipe altamente qualificada. “É muito gratificante saber que acreditam no meu trabalho, principalmente porque valorizo muito a dedicação coletiva”, enfatiza. 

Desafiando estereótipos: a jornada inspiradora de Daniela Costa na Homedock, Dock 2 e Província Casa

Daniela Costa trabalha com móveis desde os 15 anos de idade e atualmente desempenha o cargo de Diretora de Produto e Operações na HMDK Digital, empresa responsável por marcas renomadas como Homedock, Província Casa e Dock 2, no segmento de varejo de móveis e acessórios para casa. Ela compartilha sua experiência, destacando que decorar uma casa é mais do que simplesmente arranjar móveis; é um processo de autodescoberta. ‘Quando ajudamos nossos clientes a co-criarem seus espaços, impactamos positivamente suas vidas, levando felicidade aos seus lares – e isso não tem preço!’, afirmou.

Aos 40 anos, Daniela acredita que estar à frente de um negócio de sucesso do segmento representa trazer um novo olhar para o setor moveleiro. “Temos arraigado em nós um conceito equivocado de liderança, onde poder é frequentemente associado à ordem, controle, racionalidade e lógica. Minha maior descoberta foi que o verdadeiro poder feminino, capaz de mobilizar empresas e sociedade, reside em nossa capacidade de inclusão, empatia, flexibilidade e criatividade. Nossa intuição nos concede uma capacidade incrível de liderança, e devemos cada vez mais abraçar esse papel para trazer equilíbrio ao mundo dos negócios’, afirmou.

Daniela Costa, Diretora de Produto e Operações na HMDK Digital.

Igualdade de gênero e empreendedorismo:
a jornada de Saara Feitosa na Renovar Social

Para Saara Feitosa, presidente da Renovar Social, o sucesso de um negócio não está vinculado ao gênero, mas sim à capacidade de gerenciamento. “A chave principal reside em compreender que mulheres e homens são diferentes. Ao optarmos por trabalhar em um ambiente predominantemente masculino, devemos ser muito sábias no gerenciamento do negócio, lar e escolhas. O segredo está no equilíbrio, embora o preço a pagar seja alto”, considera.

“No setor moveleiro, temos a nosso favor a perspectiva de consumidoras, assegurando aos clientes produtos que agregam ao seu dia a dia beleza e que estejam alinhados às tendências. Dessa maneira, o negócio transcende a mera transação comercial e se transforma em nosso lar. E convenhamos, não há nada melhor do que o nosso próprio lar. Hoje, a Renovar Social não é apenas um empreendimento; é o meu lar, e eu amo estar nele.”

Saara Feitosa, presidente da Renovar Social.

Quebrando barreiras: a trajetória de Ana Paula Manfrin na Poliman Móveis

“Se eu disser que é uma missão fácil estar à frente de uma empresa moveleira, estaria sendo hipócrita, os desafios são sociais e não internos a um setor específico, este cenário exige uma dedicação diária maior da minha parte e muito aprendizado de como lidar com toda a rotina”, diz Ana Paula Manfrin, Diretora Executiva da Poliman Móveis. “Viajo há oito anos neste Brasil, estou em todas as feiras que a Poliman participa e ainda me deparo com uma baixa participação das mulheres no mercado como um todo, mas tenho uma reciprocidade muito grande do mercado, clientes, outros fabricantes e demais parceiros, o que tornam as conquistas maiores que as dificuldades.”

“Nestes oito anos, os resultados da empresa mudaram muito de forma positiva. Acredito que este feeling que a mulher possui faz toda a diferença. Conheço algumas mulheres no nosso setor, grande parte compradoras, gerentes e diretoras que possuem histórias lindas de muitos desafios para conseguirem assumir cargos de responsabilidade e ainda assim serem ótimas esposas, mães e, de certa forma, as donas dos seus lares.”

“Ter mais mulheres à frente das empresas ou em cargos de gestão é um movimento real, talvez mais lento que o esperado, mas jamais ignorado. Acredito que nos próximos anos, já com as viradas de gestões familiares, veremos mais mulheres à frente das empresas. Teremos novos cenários, novos desafios, mas sim, cada dia mais teremos também o nosso espaço.”

Ana Paula Manfrin, Diretora Executiva da Poliman Móveis.

Trazendo equilíbrio: a jornada de Rosana Belo na liderança da indústria moveleira

Segundo Rosana Belo, diretora-executiva da Belo e diretora-presidente do Expoara/Movelpar, liderar uma indústria moveleira, predominantemente masculina, é um desafio constante. “Muitas vezes somos subestimadas, ironizadas e até excluídas de algumas atividades. Mas, por outro lado, é também bastante desafiador. Costumo renomear a palavra ‘problema’ por ‘desafio’, então este é apenas mais um deles, que ao longo de 36 anos de minha jornada, considero superado!”, afirma.

Rosana acredita que essa diferença deve agregar, em vez de segmentar. “Dentro e fora da empresa, trabalhamos ao lado de homens e mulheres, o que considero muito saudável, pois pensamos, agimos e sentimos diferente. E é exatamente nessa diferença que um agrega ao outro, há troca de conhecimento e o resultado é sempre muito positivo. O machismo sempre existiu e existirá, porém existem hoje muitas oportunidades para que as mulheres possam mostrar a sua competência no mercado de trabalho e serem respeitadas e valorizadas por isso, independentemente do sexo.

Para Rosana, a harmonia entre homens e mulheres é fundamental. Enquanto as mulheres tendem a ser mais sensitivas, os homens costumam ser mais racionais, e ambos os aspectos são igualmente importantes na prática. “Portanto, nos complementamos”, ressalta. Em sua empresa, mais de 70 mulheres, incluindo aquelas que trabalham no chão de fábrica, desempenham funções antes consideradas exclusivas para homens, como soldadoras e operadoras de máquinas. Para ela, o verdadeiro critério de competência vai além do gênero: “envolve vontade, comprometimento e determinação!”, destaca.

Rosana Belo, diretora-executiva da Belo e diretora-presidente do Expoara/Movelpar.

Liderança feminina: uma visão de sucesso por Ana Paula de Azevedo Moreira Massardi

Sobre o que significa liderar um negócio de sucesso no setor moveleiro como mulher, Ana Paula de Azevedo Moreira Massardi, Diretora Comercial e Administrativo da Legfatto Móveis, destaca: “representa a concretização de muita dedicação e trabalho sério desenvolvido durante os anos, entregando qualidade, design, beleza e conforto, sempre valorizando clientes e os nossos colaboradores, principais responsáveis pelo sucesso de nossa empresa.”

Ana Paula revela que sente-se realizada com a oportunidade de propiciar momentos de lazer e confraternização para as pessoas. ‘Quando entregamos nossos produtos, não é somente um móvel sendo entregue, mas é alegria e realização para as famílias, que sonham com sua casa bonita e confortável’, disse.

“O brasileiro é caloroso, adora receber, confraternizar e ter uma casa aconchegante que propicie momentos agradáveis e felizes, em família ou com amigos. Acredito que as mulheres, com sua sensibilidade, seu olhar crítico, seu senso de justiça e amor por tudo que fazem, têm levado para o setor um novo olhar e maneira de gerir as empresas, contribuindo para o desenvolvimento do setor!”, conclui.

Ana Paula de Azevedo Moreira Massardi, Diretora Comercial e Administrativo da Legfatto Móveis.

Transformando a indústria do sono: uma perspectiva vital de Débora Fernandes

“Considero um privilégio exercer a função de liderança neste setor que sempre teve no comando a força masculina. Nesta era em que a saúde e o bem-estar estão no topo da pirâmide das empresas visionárias, acredito que nós mulheres temos um papel primordial, por empregarmos na liderança um olhar mais voltado ao cuidado e por termos habilidades na comunicação, empatia, inteligência emocional e firmeza na tomada de decisões”, destaca Débora Fernandes, Diretora Executiva do INER – Instituto Nacional de Estudos do Repouso.

“Enxergo com muito otimismo esse cenário em que as mulheres estão cada vez mais ganhando espaço na liderança, no setor colchoeiro. Essa atuação da mulher só tende a contribuir para que o setor se desenvolva ainda mais, com iniciativas impulsionadas pelo olhar humanizado, sensível e estratégico, característico do feminino”, acredita.

Débora Fernandes, Diretora Executiva do INER – Instituto Nacional de Estudos do Repouso.

Reinventando-se para vencer desafios: novos horizontes por Cláudia Gonçalves

Cláudia Gonçalves, proprietária da Lion Comercial, tem uma longa trajetória no setor moveleiro, enfrentando desafios únicos ao longo do caminho. “Foram 27 anos de trabalho corporativo em uma grande empresa da cadeia fornecedora”, destaca. Além das barreiras como preconceitos de gênero e estereótipos, Claudia enfrentou uma jornada desafiadora de recolocação profissional aos quase 50 anos. “Ao que parece, todas as dificuldades de etarismo, atingem o sexo feminino de maneira mais severa com relação à carreira, já que, ao envelhecer, as mulheres podem ser vistas como um “problema”, não só no setor moveleiro. No entanto, vejo que as profissionais “Vintage”que já atuaram em vários cenários, são capazes de entender melhor os movimentos do mercado e antecipar problemas”, considera.

Reinventar-se profissionalmente requer paciência, perseverança e autodeterminação, mas Claudia encontrou apoio e acolhimento no setor moveleiro, tanto no Brasil quanto no exterior. Essa experiência a motiva diariamente a transformar a transição profissional em uma oportunidade para alcançar novos patamares de sucesso. “Por experiência própria, posso afirmar que o acolhimento recebido por nosso setor moveleiro, tanto no Brasil como em outros países onde atuo é revigorante. Isso me enche de orgulho e me motiva diariamente a transformar este período de transição em uma oportunidade para alcançar novos níveis de realização profissional”, conclui.

Cláudia Gonçalves, proprietária da Lion Comercial.

Presença crescente: o papel das mulheres, segundo Carla Botelho

“O aumento da presença feminina no setor moveleiro tem se tornado cada vez mais marcante”, observa Carla Botelho, diretora da Universidade Moveleira e fundadora do Instituto Moveleiro. “Vejo um posicionamento expressivo das mulheres à frente da administração de empresas, como CEO, diretoras, gerentes. Além disso, na operação de máquinas, empilhadeiras, liderança de chão de fábrica e vendas”, destaca.

Ela afirma que as mulheres, impulsionadas pelo desejo de serem reconhecidas e valorizadas, dedicam-se a dar o seu melhor. “No setor moveleiro, elas demonstram uma habilidade singular de liderar e conciliar paixão e propósito, gerando um impacto positivo em  seu entorno. Esse avanço se deu principalmente quando as mulheres reconheceram seu valor e decidiram não mais pedir licença ou reconhecimento, mas sim mostrar sua competência por meio de resultados, sem se abalar com opiniões alheias.”

Carla Botelho expressa sua satisfação ao encontrar empresas lideradas principalmente por mulheres em sua atuação como empresária e consultora. “Isso me faz pensar: ‘Essas mulheres realmente não têm medo de sonhar grande e estão criando oportunidades para se destacarem e serem notadas’.”

Ela acredita que “o mundo dos negócios, antes dominado por homens, está pronto para receber o potencial das mulheres. Desejo que cada vez mais mulheres se levantem e deixem sua marca em todos os lugares por onde passem”.

Carla Botelho, diretora da Universidade Moveleira e fundadora do Instituto Moveleiro.

A frente do seu tempo: mulheres liderando como Adriana Stähelin 

Adriana Stähelin, CEO na Estodafos Jardim sabe que “ser uma mulher à frente de um negócio de sucesso no setor moveleiro implica desafiar-se diariamente, equilibrando múltiplos papéis e permanecendo atenta às mudanças constantes, com olhos voltados sempre para o futuro”, destaca.

“Nós, mulheres, temos trazido avanços significativos para esse setor, promovendo inovação, criatividade e uma abordagem centrada no cliente. Além disso, nossa presença impulsiona a diversidade e inclusão, ampliando perspectivas e contribuindo para uma indústria mais dinâmica e vibrante.”

“Por meio do trabalho que realiza na Estofados Jardim, que este ano celebra 45 anos em atividade, contribuo para a sociedade, gerando empregos e dando continuidade ao sonho de meu pai”, enfatiza. “Entregamos para as pessoas não apenas estofados, mas produtos que carregam em sua tecnologia, design e conforto um grande propósito: viver o melhor da vida.”

Adriana Stähelin, CEO na Estodafos Jardim.

Para concluir essa homenagem, assista ao vídeo a seguir. Ele é uma oportunidade imperdível para relembrar a extraordinária live realizada pela Vitrine Setor Moveleiro, em 2021. Embora seja de anos passado, continua ainda relevante nos dias de hoje. Afinal, destaca mulheres que fizeram e fazem história no setor moveleiro, abrindo caminho para muitas outras. Afinal, todos os dias devem ser comemorados com mulheres empreendedoras como estas:

Veja também