Muito além do e-commerce: mídias sociais e o consumidor no centro

tendencias-midias-sociais-2022-plataforma-setor-moveleiro

Tendências mídias sociais – Nós falamos na semana passada sobre a evolução do e-commerce brasileiro nos últimos anos — que prevê faturamento de R$169,5 bilhões, crescimento de 12% em, 2022 — e do impacto do “everything digital” (“tudo digital”) nos negócios, seja na indústria ou no varejo.

Para muito além de meios já considerados tradicionais de vendas on-line, como sites institucionais, lojas virtuais ou marketplaces, porém, as redes sociais têm sido uma das maiores — senão a maior — vitrines de marcas, produtos e serviços nos mais variados setores. Com diversos recursos de compras dentro das plataformas surgindo a cada nova atualização.

E, claro, o setor moveleiro não fica de fora, com o boom da demanda por móveis, objetos de decoração e itens para casa tendo aproximado ainda mais o consumidor final dos fabricantes e dos lojistas.

Mas como impulsionar o sucesso nas mídias sociais na era do consumidor acelerado?

É esta a pergunta que a Hubspot e a Talkwalker procuram responder com o relatório “Tendências das mídias sociais em 2022”.

O estudo sintetiza as dez principais tendências quando falamos em publicidade, marketing e vendas nas mídias sociais, já adiantando algo que estamos falando constantemente aqui na Plataforma Setor moveleiro: a principal tendência é, sem dúvida, “o consumidor no centro!”.

Fortalecidos e mais rápidos, os consumidores continuam regrando o mercado

“Esqueça de seguir seu CEO: agora, são os consumidores que comandam a sua marca”, ressalta o relatório. “Já estamos há algum tempo mergulhados na Era do Consumidor, mas a pandemia acelerou o domínio dos consumidores, colocando-os firmemente no comando a partir de 2022.”

Dessa forma, os consumidores atuais querem conteúdo personalizado e serviços mais rápidos. Buscam melhores experiências e tudo imediatamente. Para que sua marca sobreviva, portanto, é preciso ouvir e atender às demandas dessas pessoas que agora ditam as regras.

Para entender melhor, contudo, quais são essas demandas e regras, os responsáveis pelo estudo ouviram especialistas globais, veteranos do setor e também o público consumidor, e compilaram uma lista de tendências para este e os próximos anos, e a principal conclusão é: “Para as marcas é preciso entender que a lógica do consumidor atual é que tudo é ‘é para já!’”.

O que quer dizer que mais do que nunca, os consumidores precisam ser o foco de cada peça de conteúdo, estratégia ou campanha colocada em prática. O segredo para conquistar o público, dessa forma,  é envolvê-lo. Por isso, não é surpreendente que a conexão com o consumidor tenha servido como o tema-base para todas as dez tendências descritas no relatório.

“As demandas dos consumidores são altas, assim como as oportunidades. As marcas que acelerarem a inteligência do consumidor, colocando-a no primeiro plano de sua estratégia, serão as verdadeiras vencedoras”, dizem os especialistas.

Nós falaremos mais afinco sobre cada uma destas dez tendências para as mídias sociais nas próximas semanas. Por enquanto, fique com um resumo, já bastante estratégico, sobre cada uma delas:

Tendências mídias sociais em 2022 — O consumidor no centro

  1. O TikTok dominará as mídias sociais, fazendo com que as outras plataformas precisem se adaptar. Daremos uma olhada na ascensão do TikTok e seu domínio crescente no espaço das mídias sociais. Além disso, mostraremos como as outras plataformas estão se adaptando para se manterem competitivas.

 

  1. Os anúncios sociais se desenvolvem enquanto os cookies são eliminados. O cookie está morrendo. Como isso afetará o futuro da publicidade social? Como as marcas continuarão a oferecer serviços mais personalizados ao passo que permanecem em conformidade com a legislação de proteção de dados?

 

  1. As vendas sociais simplificarão a jornada do cliente. À medida que a pandemia levou mais consumidores a fazer compras on-line, é interessante olhar como as vendas sociais se aprofundaram e como sua demanda crescerá.

 

  1. O conteúdo pós-pandemia se ajustará às necessidades do consumidor. A pandemia criou um mundo de consumidores de conteúdo on-line. Eles têm maiores expectativas e gostos mais exigentes quanto ao conteúdo. Como isso molda o conteúdo, com um público sempre conectado e exigente quanto à facilidade de consumir e compartilhar?

 

  1. O engajamento omnichannel mudará a maneira como os consumidores se envolvem com as mídias sociais. Os consumidores não são mais leais a um canal, o que leva a uma difusão de conteúdo entre plataformas com uma agilidade jamais vista. Mas, isso também leva a mais desinformação e maior facilidade em compartilhar “fake news”.

 

  1. O marketing de influenciadores será mais maduro. Afinal, ele cresceu. Com maior regulamentação e responsabilidade, mais marcas os estão levando a sério. E após a pandemia, muitos influencers têm públicos maiores e mais engajados do que nunca. Como as marcas aproveitarão ao máximo essas oportunidades?

 

  1. As marcas estarão na dianteira da descentralização das mídias sociais. As comunidades são fundamentais, mas não apenas nas plataformas de mídia social. Muitas marcas estão agora construindo suas próprias redes sociais internas, com fóruns e recursos nativos a fim de retomar o controle de seu público.

 

  1. Os metaversos serão a próxima conexão com o consumidor Qual será o futuro da internet? As maiores plataformas estão começando a visualizá-lo agora: uma comunidade interativa de usuários capaz de se envolver em uma ampla variedade de atividades sociais online. É hora de as marcas embarcarem.

 

  1. A inclusividade será fundamental para as marcas. A responsabilidade social corporativa já era grande em 2020, e ficou ainda maior em 2021. Para 2022, as marcas estão tendo que ouvir e agir em relação às questões sociais que mais importam para seus públicos. As empresas serão essenciais para as mudanças globais.

 

  1. As comunidades se desenvolverão e dominarão. Os consumidores têm voz. Quando as vozes se reúnem, em amplas comunidades sociais, elas são altas o suficiente para mudar o mundo. Espere mais vocalidade dos usuários e um maior número de mudanças socialmente orientadas das comunidades. As maras deverão se adaptar rapidamente para reagir.

 

Fonte: Hubspot e  Talkwalker

Veja também