Preloader

Nova queda da Selic pode reforçar confiança do mercado moveleiro

Queda da taxa selic

[fusion_builder_container type=”flex” hundred_percent=”no” equal_height_columns=”no” menu_anchor=”” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” class=”” id=”” background_color=”” background_image=”” background_position=”center center” background_repeat=”no-repeat” fade=”no” background_parallax=”none” parallax_speed=”0.3″ video_mp4=”” video_webm=”” video_ogv=”” video_url=”” video_aspect_ratio=”16:9″ video_loop=”yes” video_mute=”yes” overlay_color=”” video_preview_image=”” border_color=”” border_style=”solid” padding_top=”” padding_bottom=”” padding_left=”” padding_right=””][fusion_builder_row][fusion_builder_column type=”1_1″ layout=”1_1″ background_position=”left top” background_color=”” border_color=”” border_style=”solid” border_position=”all” spacing=”yes” background_image=”” background_repeat=”no-repeat” padding_top=”” padding_right=”” padding_bottom=”” padding_left=”” margin_top=”0px” margin_bottom=”0px” class=”” id=”” animation_type=”” animation_speed=”0.3″ animation_direction=”left” hide_on_mobile=”small-visibility,medium-visibility,large-visibility” center_content=”no” last=”true” min_height=”” hover_type=”none” link=”” border_sizes_top=”” border_sizes_bottom=”” border_sizes_left=”” border_sizes_right=”” first=”true”][fusion_text]

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil decidiu por mais um corte de 0,50 ponto percentual nos juros básicos da economia em reunião realizada na última semana. A taxa, que estava em 13,25% agora está em 12,75%, valor registrado anteriormente em maio de 2022. Mas o que a nova queda da Selic representa para o setor moveleiro? E o que a indústria pode esperar em relação à confiança do consumidor e ao consumo propriamente dito?

De acordo com o economista Renan Luquini, o cenário é positivo e pode trazer impactos relevantes para o setor moveleiro. Especialmente se forem mantidas as expectativas em relação à inflação, o que pode levar a novas quedas até o início do próximo ano. A queda da Selic pode favorecer a redução de custos de financiamento para investimento interno e estimular o consumo

Para o assessor externo da área de economia da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo), Carlos Thadeu de Freitas Gomes, a decisão foi acertada e pode indicar uma tendência. Isso se o governo federal também mantiver as suas metas fiscais. 

Por dentro da nova decisão

Foi a segunda vez que o comitê decidiu por reduzir a taxa de juros após meses em era mantida em 13,75%, como uma tentativa de reduzir a inflação. Enquanto o mercado apostava em uma queda de 0,25 ponto, o Copom voltou a reduzir em 0,50 ponto. A decisão foi acertada, de acordo com o assessor externo da área de economia da CNC, Carlos Thadeu de Freitas Gomes. 

“Esse foi mais um acerto do Banco Central, visto que as expectativas do mercado para o IPCA de 2023 e de 2024 tiveram reduções, para 4,86% e 3,86%, respectivamente. Ou seja, o Banco Central está cumprindo o seu papel para que isso ocorra”, escreveu o economista em um artigo recente.

Contudo, pondera, existem variáveis que estão fora do controle do Banco Central. E essas variáveis passam pelas incertezas fiscais. O governo federal estaria fazendo a sua parte com a proposta do arcabouço fiscal. Mas ainda haveria dúvidas em relação à possibilidade de atingir as metas. 

“O Orçamento proposto subestima as despesas e depende muito das arrecadações. Isso se torna ainda mais arriscado quando percebemos que o PIB de 2023 está sendo impulsionado principalmente pelos gastos do governo para desenvolver a demanda”, reforçou Gomes.

Impacto da queda da Selic no setor moveleiro

A queda da taxa Selic pode ter um impacto significativo no setor de móveis, conforme a análise de Luquini. “Primeiro, a redução dos custos de financiamento é um fator chave”, comenta. “Quando a taxa Selic diminui, os juros de empréstimos e financiamentos tendem a cair. Para empresas do setor moveleiro, isso significa menores custos de financiamento para investir em tecnologia, equipamentos e máquinas. E possibilita a modernização da linha de produção, aumentando a capacidade produtiva e melhorando a qualidade dos produtos”, completa.

O estímulo ao consumo também pode ser um fator positivo. Com juros mais baixos, avalia o economista, os consumidores são incentivados a realizar compras a prazo, incluindo a compra de móveis. “Esse estímulo ao consumo impulsiona o setor de produção, aumentando a demanda pelos produtos e incentivando as empresas a investirem em expansão e contratação de mão de obra”, diz.

Para Luquini, também é preciso considerar o aumento da concorrência como consequência da queda de juros. O acesso ao crédito favorece o ingresso de empresas no setor. “Com mais empresas competindo, é provável que haja uma redução nos preços dos produtos e uma busca por inovação, qualidade e diferenciação para se destacar no mercado”, explica.

Mais imóveis, mais móveis

Por fim, o economista cita que a queda da Selic pode valorizar também o mercado imobiliário. “Com financiamentos imobiliários mais atraentes, o setor imobiliário tende a crescer. Isso impulsiona a demanda por móveis, já que novos proprietários precisam mobiliar suas residências”, conclui. 

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Veja também