Produção de móveis e colchões sobe 5,5% no primeiro bimestre de 2021, segundo ‘Conjuntura de Móveis’

Produção de móveis e colchões sobe 5,5% no primeiro bimestre de 2021, segundo ‘Conjuntura de Móveis’

Compartilhe nas redes!

Compartilhe nas redes!

CONJUNTURA DE MÓVEIS E COLCHÕES ABIMÓVEL IEMI PLATAFORMA SETOR MOVELEIRO

Conjuntura de Móveis – Demonstrando um início de ano mais aquecido do que o usual na indústria moveleira, mesmo com queda de 4,5% no volume de peças produzidas (35,8 milhões) em fevereiro sobre janeiro, o acumulado nos dois primeiros meses de 2021 apresentou aumento de 5,5%.

O consumo aparente de móveis e colchões no mercado interno seguiu, dessa forma, o mesmo ritmo, com alta de 4,6% no acumulado do primeiro bimestre e redução de 3,1% na passagem dos meses. Dados da “Conjuntura de Móveis”, estudo encomendado pela ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário e desenvolvido pelo IEMI – Inteligência de Mercado.

Emprego na indústria moveleira

Com uma produção aquecida, portanto, o volume do emprego no setor aumentou em 0,9% em fevereiro no comparativo com o mês anterior.  No acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2020, porém, houve queda de 5,4%. O número de horas trabalhadas também saltou 2,2% na relação mês a mês, mas houve declínio de 3,8% no acumulado do bimestre.

“Em face de tais números é importante ressaltar que mesmo vivendo um momento de alta demanda no mercado interno e externo por móveis e colchões, as empresas hoje não conseguem atender totalmente às solicitações dos seus clientes devido à falta de insumos e matérias-primas. Com muitas fábricas tendo que cancelar pedidos ou atrasar a entrega, outras tendo de enxugar a estrutura e diminuir equipe ou carga horária de trabalho como formas de gerenciar a restrição de vendas imposta pela crise de abastecimento”, ressalta a ABIMÓVEL em comunicado.

Apesar da situação, a indústria moveleira foi uma das que registrou um dos maiores saldos positivos de vagas de trabalho nos meses de janeiro e fevereiro de 2021, de acordo com informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged. “Isso comprova a assertividade das ações tomadas pelo empresariado do setor neste momento que requer adequação e objetividade, com a economia nacional buscando apoio no desempenho da indústria”, reforça a entidade.

Investimentos para produção

Neste contexto, as importações de máquinas para fabricação de móveis apresentaram aumento de 54,3% no primeiro trimestre do ano em relação a igual período de 2020, de acordo com o estudo. Apontando, assim, para um planejamento otimista e investimentos por parte das indústrias do setor. Dois segmentos, em especial, chamaram a atenção pelo avanço bastante expressivo:  máquinas para arquear ou reunir (+670,9%) e máquinas para furar ou escatelar (+397,8%).

Por falar em importação, aliás, o Brasil importou cerca de US$ 24 milhões em móveis e colchões em fevereiro de 2021, o que representa um aumento de 20,2% na comparação com o mês anterior. Em contrapartida, no mês de março as importações recuaram 13,3%, na comparação mês a mês, atingindo o montante de US$ 20,8 milhões.

Conjuntura de Móveis: Panorama regional

Ao tratarmos da produção regional, o volume de peças produzidas nos estados da região sul do País seguiu a lógica nacional, apresentando queda na variação mensal e aumento no acumulado de janeiro e fevereiro. Veja na tabela abaixo.

CONJUNTURA DE MÓVEIS PANORAMA REGIONAL IEMI ABIMOVEL PLATAFORMA SETOR MOVELEIRO

Já quando o assunto é emprego, o número de postos de trabalhos formais na indústria moveleira nestes estados também apresentou aumento. Santa Catarina, +2,1; Rio Grande do Sul, +1,8%; Paraná, +1,2%. O que foi observado também em outros relevantes estados de demais regiões, como em São Paulo, +1,3%; e Minas Gerais, +1,7%.

CONJUNTURA DE MÓVEIS EMPREGO POR ESTADO IEMI ABIMOVEL plataforma setor moveleiro

Falando em Minas Gerais, afinal, no primeiro trimestre de 2021, as exportações mineiras expandiram em 53,4%. Seus principais parceiros comerciais foram os Estados Unidos, destino de 14,9% do montante; seguidos pelos Emirados Árabes (13%) e pela Bolívia (10,7%).

Já as exportações paulistas avançaram 20% entre janeiro e março. O principal destino foi, mais uma vez, os Estados Unidos, com representatividade bastante significativa de 45,2%. Na sequência aparecem dois países sul-americanos: Chile (11,9%) e Peru (7,5%).

Veja a seguir um resumo dos principais indicadores do setor moveleiro nos primeiros meses do ano. 

CONJUNTURA DE MÓVEIS INDICADORES IEMI ABIMOVEL

Para baixar o relatório completo acesse: http://www.abimovel.com/informacoes/imprensa.

Siga-nos nas redes sociais!

Um Comentário

  1. […] Na semana passada trouxemos também os números da “Conjuntura de Móveis” — relatório encomendado pela Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário (ABIMÓVEL) para o IEMI – Inteligência de Mercado —, com os resultados referentes à produção de móveis e colchões, bem como das exportações, importações, emprego e varejo no setor moveleiro no primeiro bimestre do ano. Leia aqui. […]

Deixe Um Comentário

  • Categories: Feiras

    Com organização do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol, o SIMM, a edição 2022 da Movinter começa amanhã, 28 […]

  • Categories: Marketing

    Colchões Castor – Chegar aos 60 anos em boa forma não é uma missão simples. Exige jogo de cintura, muita […]

  • Categories: Feiras
  • Categories: Indústria

    Indústria moveleira – Acompanhando as oscilações no mercado moveleiro nacional, impactado, entre outros motivos, pela instabilidade econômica e a retomada […]

Notícias em Destaque

  • Categories: Indústria, Notícias

    Abaixo do desejado desde dezembro de 2019, o nível dos estoques de produtos finais, que atingiu nível crítico no segundo […]

  • Categories: Indústria

    Na semana passada, nós falamos sobre as oportunidades para os móveis brasileiros nos Estados Unidos – clique para ler. Enquanto […]

  • Categories: Indústria

    A produção industrial no Brasil caiu 0,4% na passagem de agosto para setembro deste ano. Esta é a quarta queda […]

Assine
a nossa
Newsletter

    Opinião