Preloader

A sustentabilidade como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?

A sustentabilidade como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?

A sustentabilidade é, atualmente, considerada um fator determinante para o sucesso e a longevidade das empresas, sobretudo no setor moveleiro. Mais do que uma mera tendência, a adoção de práticas sustentáveis transformou-se em uma estratégia de negócios, uma vez que confere não apenas um compromisso ético com o meio ambiente, mas também um sólido diferencial competitivo no mercado. Na matéria abaixo, você vai conhecer as melhores práticas sustentáveis para marcas da indústria moveleira, bem como as formas de aplicação. Boa leitura!

À medida que os consumidores tornam-se mais conscientes dos impactos ambientais de suas escolhas, as empresas do setor moveleiro se veem diante de uma oportunidade única. 

A adoção de práticas de sustentabilidade, portanto, não é mais apenas um gesto benevolente, mas sim um diferencial competitivo crucial para aquelas que buscam não somente atender, mas antecipar as expectativas do mercado.

Diante desse cenário, não se trata apenas de cumprir normas ou alinhar-se a uma tendência momentânea; trata-se de uma abordagem estratégica que não apenas respeita os limites ambientais, mas também fortalece a posição das empresas no mercado. 

Ao entender a interseção entre a produção de móveis e a responsabilidade ambiental, gestores do setor podem estruturar caminhos inovadores para a sustentabilidade, o que traz não apenas benefícios para o planeta, mas também vantagens competitivas tangíveis para as marcas.

A sustentabilidade como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
A adoção de práticas de sustentabilidade, portanto, não é mais apenas um gesto benevolente, mas sim um diferencial competitivo crucial para empresas que buscam antecipar as expectativas do mercado

Nesta matéria, que aborda o conceito de sustentabilidade, assim como sua relevância para as empresas que atuam no setor moveleiro e que desejam se destacar nesse mercado competitivo, você vai conferir:

  • O que é sustentabilidade aplicada ao setor moveleiro?
  • Quais são as principais práticas sustentáveis para ganhar vantagens competitivas?
  • Como a implementação de práticas sustentáveis pode influenciar os consumidores?
  • Quais vantagens econômicas a sustentabilidade oferece às empresas moveleiras?

O que é sustentabilidade aplicada ao setor moveleiro?

No contexto da indústria moveleira, a sustentabilidade não está restrita apenas à redução de impactos ambientais. Isso porque o conceito permeia todas as fases do ciclo de vida do produto, o que abrange desde a escolha responsável das matérias-primas até o destino final dos móveis. 

A sustentabilidade aplicada a esse setor, portanto, demanda a incorporação de processos ecoeficientes na produção, o que minimiza desperdícios e otimiza o uso de recursos. 

Além disso, é essencial ressaltar que a reavaliação constante dos métodos de fabricação e a busca por materiais de baixo impacto ambiental são essenciais para uma abordagem sustentável.

A incorporação de design inteligente também surge como uma peça-chave na sustentabilidade moveleira. Isso não se refere apenas à estética, mas à concepção de produtos duráveis, modulares e, sempre que possível, passíveis de reutilização ou reciclagem. 

A implementação de práticas de economia circular, onde os resíduos são vistos como recursos em potencial, ganha destaque. Dessa forma, a sustentabilidade no setor moveleiro não apenas busca mitigar impactos ambientais, mas redefine a maneira como os produtos são concebidos, fabricados e, eventualmente, descartados.

“O mundo moderno e, consequentemente, as empresas do setor moveleiro devem entender que introduzir e gerenciar práticas de sustentabilidade gera redução de desperdícios e, com isso, redução de custos, redução de riscos operacionais e maior credibilidade com o mercado consumidor, que está tendente a consumir de empresas social e ambientalmente corretas”, destaca Caroline de Paula Balbino, que atua no setor moveleiro há quase 17 anos e é CEO e diretora-geral do Grupo Legalizar e CLO na Bizmoni Corporation nos Estados Unidos.

A preocupação com o meio ambiente e com o futuro como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
A advogada Caroline Balbino, que atua na indústria moveleira há quase 17 anos, ressalta a importância da sustentabilidade para empresas do setor

Quais são as principais práticas sustentáveis para ganhar vantagens competitivas?

Para prosperar em um mercado cada vez mais voltado para a responsabilidade ambiental, as empresas que atuam no setor moveleiro estão investindo em práticas sustentáveis inovadoras. 

Certificações e sustentabilidade

A busca por certificações ecológicas, como FSC (Conselho de Manejo Florestal) e PEFC (Programa de Reconhecimento de Sistemas de Certificação Florestal), não só atesta a procedência responsável da madeira utilizada, mas também confere uma credibilidade ambiental valiosa aos produtos. 

Transparência

A transparência na cadeia de suprimentos, que destaca a origem dos materiais e os processos de produção, não apenas atende às demandas dos consumidores conscientes, mas também constrói confiança e lealdade.

“A transparência de processos produtivos e a origem das matérias primas são grandes aliados nas práticas mercadológicas das indústrias e lojistas. Saber de quem se compra não é mais a referência principal. Saber o que se compra passou a ser a referência principal”, destaca Balbino.

A sustentabilidade como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
A adoção de projetos mobiliários simples também pode ser uma prática sustentável viável para as empresas do setor

Projetos mobiliários e energia renovável

Ana Paula Patussi, arquiteta formada pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e especialista em ergonomia pela mesma instituição, destaca que a adoção de projetos mobiliários simples também pode ser uma prática sustentável viável para as empresas do setor.

“O investimento em projetos de móveis mais simples que facilitem a montagem e a desmontagem facilitam a reciclagem das matérias-primas. Além disso, é importante focar o uso de energias limpas para a produção e a distribuição dos produtos. Um exemplo consiste no investimento em placas fotovoltaicas para a geração de energia elétrica”, explica Patussi.

Logística e gestão de resíduos: ações de sustentabilidade

Além disso, a otimização logística e a gestão eficiente de resíduos tornam-se elementos essenciais para garantir uma operação verdadeiramente sustentável. 

A redução da pegada de carbono ao longo da cadeia de suprimentos, seja por meio de transporte eficiente ou fontes de energia renovável, não apenas alinha a empresa aos objetivos ambientais globais, mas também pode resultar em economias significativas a longo prazo. 

A gestão responsável dos resíduos, por sua vez, não apenas contribui para a preservação do meio ambiente, mas também abre portas para oportunidades de reciclagem e reutilização, agregando valor econômico e ambiental aos negócios moveleiros.

Controle de sobras

Outra prática sustentável frequente na indústria moveleira, conforme descrita por Jamaci Messias Damasceno, assessor de assuntos estratégicos e relações internacionais da Amap (Associação dos Fabricantes de Móveis e Artefatos de Madeira da Paraíba), consiste no controle de sobras.

“O controle de sobras destina os não-reaproveitáveis para doação às escolas de formação apoiadas pela Amap. Isso faz com que exista na cadeia produtiva a separação dos resíduos para o descarte correto. Acrescente-se a isso a troca entre os empresários de sobras de materiais. Nos grupos de WhatsApp, vemos quem precisa de alguma peça e quem tiver disponível fornece, o que faz as empresas ganharem tempo e dinheiro”, explica.

A preocupação com o meio ambiente e com o futuro como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
Ana Paula Patussi, arquiteta formada pela UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) e especialista em ergonomia pela mesma instituição, elenca ações de sustentabilidade que podem ser adotadas por empresas do setor moveleiro

Como a implementação de práticas sustentáveis pode influenciar os consumidores?

A conscientização ambiental entre os consumidores não é apenas uma tendência momentânea, mas um movimento transformador que impacta diretamente as escolhas de compra. 

Ao escolher móveis produzidos com práticas sustentáveis, os consumidores finais não apenas expressam suas preocupações com o meio ambiente, mas também buscam produtos que reflitam seus valores éticos. 

A transparência nas práticas sustentáveis, comunicada de maneira eficaz, torna-se um poderoso catalisador na construção de uma relação de confiança entre as marcas e os consumidores, impulsionando a fidelidade do cliente.

Além disso, a narrativa sustentável agrega um valor simbólico aos produtos moveleiros. Os consumidores modernos veem os móveis não apenas como itens utilitários, mas como extensões de seu estilo de vida e valores pessoais. 

Empresas que adotam práticas sustentáveis não apenas atendem às demandas ambientais, mas também capturam a atenção de um público cada vez mais consciente, destacando-se como escolhas éticas e progressistas. 

Consumidores como embaixadores da marca

A influência desse apelo sustentável transcende a mera satisfação do cliente; ela transforma os consumidores em embaixadores da marca, compartilhando suas escolhas sustentáveis e contribuindo para a construção de uma imagem positiva e responsável no mercado moveleiro.

Conforme pontua Damasceno, os consumidores que apresentam maior poder aquisitivo têm buscado cada vez mais investir em produtos de empresas que comunicam, sobretudo, respeito ao meio ambiente e aos seus trabalhadores.

“Temos a consciência da necessidade de as empresas serem agentes de transformação da comunidade. O empresário deve saber que esse caminho não tem volta e que quem não seguir esse conceito vai ter problemas lá na frente – dizemos que não tão lá na frente”, pondera.

A sustentabilidade como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
Segundo Jamaci Messias Damasceno, assessor de assuntos estratégicos e relações internacionais da Amap (Associação dos Fabricantes de Móveis e Artefatos de Madeira da Paraíba), os consumidores têm buscado cada vez mais investir em produtos de empresas que comunicam, sobretudo, respeito ao meio ambiente

Caroline Balbino pontua, também, que mesmo os consumidores com menor poder aquisitivo têm estado atentos à questão da sustentabilidade.

“Ninguém, por mais humilde que seja, quer comprar de empresas que poluem, socializam seus impactos e desrespeitam a tendência mundial de redução de fontes poluentes ou mesmo que não fazem nada para o planeta”, ressalta a especialista.

Case de sucesso de sustentabilidade

A arquiteta Ana Paula Patussi conta que, no setor moveleiro internacional, a empresa Ikea tem se destacado quando o assunto é sustentabilidade, uma vez que, há anos, a marca tem investido na produção de “móveis sustentáveis com preços baixos, mas não a qualquer custo”.

“A Ikea implantou um modelo de auditoria de fornecedores. O Iway (The Ikea Way on Purchasing Home Furnishing Products) é um programa amplo, profundo e bastante investigativo, que promove visitas em fornecedores, classificando-os quanto ao desempenho social e ambiental. Com isso, a empresa analisa a origem de toda a madeira de seus produtos. O programa considera, ainda, informações contábeis, emissões, resíduos, substâncias químicas, segurança, trabalho infantil, condições de trabalho, exploração das florestas e outras dez áreas. E, quando um fornecedor apresenta problemas, a Ikea oferece suporte para que ele limpe sua operação”, explica.

Quais vantagens econômicas a sustentabilidade oferece às empresas moveleiras?

Além dos benefícios ambientais e do apelo ao consumidor consciente, a sustentabilidade no setor moveleiro abre portas para vantagens econômicas. 

Redução de custos

A eficiência operacional, um componente fundamental das práticas sustentáveis, muitas vezes resulta em redução de custos

A otimização dos processos de produção, a gestão inteligente de recursos e a minimização de desperdícios não apenas contribuem para uma pegada ecológica reduzida, mas também promovem uma operação mais eficiente e, portanto, financeiramente vantajosa.

“A redução de custos é um pilar indissociável do resultado das boas práticas de sustentabilidade nas corporações. Reduzir resíduos, reduzir desperdícios, reduzir a vulnerabilidade a corrupção, maior transparência e qualidade produtiva também geram maior segurança jurídica das corporações”, destaca Balbino.

A preocupação com o meio ambiente e com o futuro como diferencial competitivo na indústria moveleira: quais são as melhores práticas?
O uso de energias limpas para a produção e a distribuição dos produtos também consiste em uma prática sustentável na indústria moveleira

Inovação de produtos e serviços

Adicionalmente, a incorporação de materiais sustentáveis e processos inovadores pode estimular a inovação em produtos e serviços, conferindo às empresas uma posição competitiva única. 

A busca por alternativas ecológicas frequentemente desencadeia a descoberta de soluções mais eficazes e econômicas, resultando em móveis de alta qualidade a custos competitivos. 

Dessa forma, a sustentabilidade não é apenas um custo adicional, mas uma estratégia inteligente que pode impulsionar a eficiência financeira, promovendo a resiliência e o crescimento sustentável das empresas moveleiras no mercado dinâmico.

“As empresas que atuam no setor moveleiro estão adotando práticas e inovações que visam reduzir o impacto ambiental de seus produtos, por meio do uso materiais reciclados e de origem sustentável, do investimento em designs modulares e adaptáveis, da incorporação de tecnologia e da busca de durabilidade e atemporalidade nos produtos. Essas tendências e inovações refletem a crescente preocupação com o meio ambiente e a busca por soluções mais sustentáveis na indústria moveleira, tais fatos gerados pelas demandas do mercado”, finaliza Patussi.

[/fusion_text][/fusion_builder_column][/fusion_builder_row][/fusion_builder_container]

Veja também