Preloader

Varejo de móveis desacelera na Pesquisa Mensal do Comércio

Varejo de móveis desacelera na Pesquisa Mensal do Comércio

Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo IBGE em 18 de outubro, revelam uma variação de -0,2% no volume de vendas do varejo em agosto de 2023, em comparação a julho do mesmo ano (consulte o gráfico). No entanto, ao comparar com agosto do ano anterior, observamos um aumento de 2,3%. Os últimos 12 meses apresentaram um crescimento de 1,7%, enquanto o acumulado no ano ficou em 1,6%. No setor de comércio varejista ampliado, que inclui materiais de construção, houve uma queda de 1,3% nas vendas em agosto em relação a julho, após uma variação de -0,4% em julho de 2023. Especialistas apontam indícios de estabilidade nessa variação do varejo. 

Economistas do IBGE, ao analisarem o cenário, destacam vários fatores que explicam o baixo crescimento do comércio varejista em 2023. Especificamente, alguns setores apresentam indicadores negativos de forma consistente, como é o caso dos móveis e eletrodomésticos, que registraram uma queda de -2,2%.

Esses especialistas também atribuem esse baixo desempenho ao persistente problema de crises contábeis. Ao longo do ano, até agosto, grandes redes de varejo enfrentam desafios contábeis e estão reduzindo o número de suas lojas. Em agosto, por exemplo, um levantamento do Bank of America (Bofa) indicou o fechamento de 127 lojas em shoppings. Além disso, em outubro, o Carrefour anunciou o fechamento de 16 lojas em Belo Horizonte (MG).

Volume de vendas do varejo agosto 2023

Varejo de móveis desacelera na Pesquisa Mensal do Comércio

Na comparação anual varejo de móveis diminui ritmo

No indicador interanual, móveis e eletrodomésticos apresentaram queda de -1,5% nas vendas em comparação a agosto de 2022. Essa diminuição marca a primeira queda após conquistar três meses consecutivos de taxas positivas, quando o setor registrou um crescimento de 0,4% em maio, 2,7% em junho e 3,3% em agosto. Um sinal de alerta para a indústria, que enfrenta uma desaceleração significativa.

Além disso, ao observar o acumulado do ano até agosto, o comércio emite sinais de alerta. Após passar de 1,4% até julho para 1,0% no mês de referência, a atividade mostra diminuição no ritmo de crescimento. 

Sinais de recuperação em meio a índices negativos

A análise dos últimos doze meses, até agosto, revela um marco no varejo de móveis e eletros. É o primeiro resultado positivo de 0,4%, após 22 meses consecutivos de perdas. A última vez que o setor registrou um resultado positivo foi em setembro de 2021, quando apresentou um crescimento de 3,1%.

Na comparação com agosto de 2022, de forma isolada, o setor de móveis registrou uma variação negativa de -7,9%. No acumulado do ano, de janeiro a agosto, o setor apresentou uma queda de -7,3%. Os móveis também mantiveram índices negativos nos últimos 12 meses, com uma redução de -9,4%. No entanto, é importante notar que esses números representam uma melhoria em relação ao registro até junho (-11,4%) e julho (-10,5%).

PMC Móveis e Eletros

​​Varejo ampliado recua 1,3% em agosto

Os materiais de construção é um setor que o moveleiro deve acompanhar sua movimentação. Para o comércio varejista ampliado (-1,3%), o setor de material de construção variou -0.1%, em agosto frente a julho. Na série sem ajuste sazonal, o varejo ampliado cresceu 3,6% frente a julho de 2022, completando seis meses com crescimento ininterrupto. O acumulado no ano foi 4,2% e o acumulado em 12 meses foi de 2,7%.

A análise dos dados da Pesquisa Mensal do Comércio e a investigação dos fatores que afetam o desempenho do comércio varejista em 2023 revelam um cenário de desafios. Da mesma forma que observamos uma recuperação no setor de móveis e eletrodomésticos, com o primeiro resultado positivo em 22 meses, também é evidente que o comércio enfrenta obstáculos significativos.

Leia também:

Veja também