Varejo físico: a evolução dos pontos de vendas de móveis e colchões no Brasil

Pontos de vendas de móveis e colchões – Na última edição do Demanda em Foco Setor Moveleiro, Marcelo Prado, diretor do IEMI – Inteligência de Mercado, falou sobre o grande crescimento do e-commerce no País, e como isso foi impactado positivamente pela pandemia. Agora é hora de nós olharmos para o outro canal, o convencional, e como ele vem evoluindo nos últimos anos. Em especial em relação ao número de lojas em atividade no segmento de móveis e colchões.

Em 2021, fechamos o ano com 38 mil pontos de venda físicos no Brasil. O que, segundo dados do IEMI, representa 6,7 mil PDVs a menos entre 2015 e 2021.

“Ora, se o fator determinante no fechamento dos pontos de venda foi a crise de 2015 e 2016, porque quando as vendas pararam de cair e voltaram a crescer lentamente, o número de lojas não se recuperou?”, indaga Marcelo. Ele mesmo responde, ao apontar outras variáveis, como, justamente, o crescimento do e-commerce, que foi, inclusive, ocupando um espaço que as lojas físicas foram deixando devido aos impactos econômicos. O que, como imaginado, se agravou com a pandemia.

Mas há, ainda, outras importantes variáveis e considerações a serem observadas. Confira mais esta edição completa em:

Veja também