A indústria de móveis no início de 2021

A indústria de móveis no início de 2021

Compartilhe nas redes!

Compartilhe nas redes!

A produção de móveis na indústria experimentou leve queda em volume em janeiro de 2021: -1,9% em relação a dezembro de 2020. No acumulado do ano, porém, houve aumento de 7,5%. Interessante perceber, então, que o recuo na passagem dos meses não impactou negativamente a receita da indústria, pelo contrário. Em janeiro, o aumento foi de 0,8% sobre dezembro, já no acumulado do ano houve um incremento de 33,2%. Totalizando mais de R$ 7,4 bilhões em receita na indústria no primeiro mês de 2021.

VOLUME PRODUZIDO NA INDÚSTRIA MOVELEIRA

Do volume produzido, o consumo interno aparente, ou seja, o disponível no mercado interno, foi de 36,6 milhões de peças em janeiro. Alta de 7,9% em relação ao mês anterior. No acumulado no ano, por sua vez, o crescimento foi de 3,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Já a participação dos importados no consumo aparente em janeiro de 2021 foi de 4,1%. Verificando-se participação de apenas 2,8% no acumulado dos últimos 12 meses. 

Os números fazem parte  da “Conjuntura de Móveis” de abril, com dados dos dois primeiros meses do ano, divulgado pela ABIMÓVEL – Associação Brasileira das Indústrias do Mobiliário e o IEMI – Inteligência de Mercado. Veja abaixo um resumo dos principais números do setor moveleiro nacional no início deste ano:

Preço por peça 

Apesar da melhor projeção em receita, é importante ressaltarmos que o preço médio de produção de móveis também tem crescido, limitando as margens da indústria. Em janeiro, o valor médio foi de R$198,04 por peça. O que significa um aumento de 2,8% tanto em relação ao mês anterior quanto no ano.

No varejo, o preço médio do móvel foi de R$ 203,58 por peça no primeiro mês do ano, acréscimo de 1,5% frente ao mês anterior. Antecipando-se aos dados disponíveis da produção industrial, em fevereiro de 2021, o preço médio teve novo reajuste de 1,11% no varejo, atingindo R$ 205,84 por peça.

Emprego na indústria de móveis em janeiro de 2021

Com pedidos que continuam chegando, o volume do emprego na indústria moveleira manteve-se estável em janeiro de 2021: +0,4% no comparativo com dezembro de 2020 e +0,1% no acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2020. O setor, aliás, é um dos que mais geraram vagas na indústria — categoria que mais empregou — no primeiro mês do ano, segundo dados do Caged – Cadastro Geral de Empregados e Desempregados.

O número de horas trabalhadas também apresentou crescimento: +0,6% em relação ao mês anterior e +7,6% no acumulado do ano. A produtividade do trabalho, porém, recuou em 2,5% em janeiro de 2021, mas ainda se encontra estável ao confrontarmos o acumulado do período no ano passado e neste ano (-0,1%). Houve recuo também na média salarial na indústria moveleira, que teve queda de 25,9% em janeiro, atingindo R$ 1.528,97, quando comparando-se ao ano anterior.

É essencial entendermos, porém, que estamos enfrentando um dos momentos mais adversos da história, com a pandemia voltando a se agravar no Brasil no início deste ano, trazendo, assim, uma série de limitações aos negócios. O que, sem dúvida, exige jogo de cintura, com uma gestão bastante flexível e assertiva por parte dos industriais  e das entidades setoriais para a manutenção da produção e do emprego no País.

Nível de atividade retrai, mas empresário mantém otimismo

Este cenário, claro, faz com que a confiança do empresário também oscile. De acordo com a CNI – Confederação Nacional das Indústria, o nível de confiança na indústria ficou abaixo da média histórica em fevereiro deste ano. Ainda assim, manteve-se acima da linha divisória que separa “confiança do empresário” da “falta de confiança”. De forma semelhante, a intenção de investir também registrou queda, mas se mantém acima da média histórica.

No setor moveleiro, as importações de máquinas para fabricação de móveis apresentaram, no geral, recuo de 11,9% no acumulado do ano em relação a 2020. No entanto, destacam-se dois segmentos que vêm demonstrando avanços expressivos nos últimos meses são eles: Máquinas-ferramentas para madeira (+331,7%) e Máquinas para desbastar, aplainar e fresar (+33,7%). Apontando evolução no segmento madeira.

Apesar da fragilização de todos os setores produtivos, portanto, temos de reiterar que a utilização da capacidade operacional se encontra no patamar mais elevado desde 2014, na comparação com o mesmo mês de anos anteriores, como aponta gráfico disponibilizado pela CNI.

Pontos que confirmam que, embora estejamos passando por um momento delicado, o setor industrial mantém o otimismo sustentado no trabalho e no planejamento focado. O que, sem dúvida, traduz muito bem o compromisso da indústria nacional.

Siga-nos nas redes sociais!

2 Comments

  1. Soraya Moreira 24 de maio de 2022 at 10:59 - Reply

    Bom dia
    Gostaria de saber o faturamento por funcionário no setor moveleiro.
    Soraya Moreira
    Assessora Estratégica do Sindimov-MG
    assessoria@sindimov-mg.com.br
    31- 99276 0243

    • carlos-bessa 24 de maio de 2022 at 16:12 - Reply

      Obrigado por sua audiencia. R$ 282 mil por ano em média, incluindo diretos e indiretos. Somente diretos, acrescentar uns 20% a esse valor médio.

Deixe Um Comentário

  • Categories: Feiras

    Com organização do Sindicato da Indústria do Mobiliário de Mirassol, o SIMM, a edição 2022 da Movinter começa amanhã, 28 […]

  • Categories: Marketing

    Colchões Castor – Chegar aos 60 anos em boa forma não é uma missão simples. Exige jogo de cintura, muita […]

  • Categories: Feiras
  • Categories: Indústria

    Indústria moveleira – Acompanhando as oscilações no mercado moveleiro nacional, impactado, entre outros motivos, pela instabilidade econômica e a retomada […]

Notícias em Destaque

  • Categories: Indústria, Notícias

    Abaixo do desejado desde dezembro de 2019, o nível dos estoques de produtos finais, que atingiu nível crítico no segundo […]

  • Categories: Indústria

    Na semana passada, nós falamos sobre as oportunidades para os móveis brasileiros nos Estados Unidos – clique para ler. Enquanto […]

  • Categories: Indústria

    A produção industrial no Brasil caiu 0,4% na passagem de agosto para setembro deste ano. Esta é a quarta queda […]

Assine
a nossa
Newsletter

    Opinião