Produção de móveis sofre desaceleração nas passagens de semestre em 2021

produção-de-móveis-plataforma-setor-moveleiro

Com a divulgação dos dados consolidados do primeiro semestre deste ano, nós trouxemos aqui na Plataforma Setor Moveleiro, durante o mês passado, a pergunta: Produção de móveis: sustentada ou oscilante?”. E a verdade é que encontrar uma resposta se mostra a cada dia mais complexo.

De um lado temos as vendas de móveis no varejo subindo acima da média nacional — veja os números clicando aqui; de outro, observamos o volume produzido nas fábricas recuar pelo segundo mês consecutivo. Mantendo-se, assim, um acumulado positivo no ano, +16,7% (janeiro-julho), porém, em ritmo decrescente na passagem entre os semestres. Os dados são, mais uma vez, da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF), recém-publicada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Números da produção de móveis em julho

A produção de móveis em julho de 2021 registrou queda de 0,9% em relação ao mês anterior. Na comparação com igual mês no ano passado, porém, o recuo foi ainda maior, -14,4%. Com a categoria exercendo uma das maiores influências negativas na economia nacional em julho de 2021.

É imprescindível, porém — como sempre alertamos —, observarmos o cenário em que essa base de comparação se constrói. Os resultados alcançados na indústria e no varejo de móveis a partir de junho de 2021 representam uma guinada histórica e pontual do setor. Que viveu um grande estouro de demanda na segunda parte do ano passado, devido ao isolamento social e o novo olhar do consumidor para a casa. Dessa forma, a simples comparação, sem a necessária contextualização, pode ser perigosa para o planejamento estratégico das empresas.

Produção industrial no Brasil está abaixo do pré-pandemia

A produção industrial geral no Brasil, por sua vez, também apresentou seu segundo resultado negativo consecutivo. Em julho de 2021, a produção industrial nacional caiu 1,3% frente a junho, na série com ajuste sazonal. Acumulando no período, então, perda de 1,5%. Tais indicadores colocam a indústria brasileira num patamar 2,1% abaixo do pré-pandemia, em fevereiro de 2020.

Já em relação a julho do ano passado, porém, diferente da indústria moveleira, a produção geral demonstrou alta de 1,2%. Esta é a 11ª taxa positiva consecutiva nessa comparação. No ano, a indústria acumula alta de 11%; em 12 meses o aumento é de 7%.

Siga-nos nas redes sociais!

Veja também